Fat New World: O efeito da canela na glicemia e sensibilidade à insulina

«A insulina é uma hormona central no metabolismo e partição energética. Infelizmente, a sua função fisiológica normal é facilmente comprometida em pessoas susceptíveis, em estados de inflamação (como a obesidade por exemplo), ou com uma dieta desfavorável. Re-estabelecer uma sensibilidade à insulina é essencial para a optimização metabólica, em particular nos órgãos que contribuem mais para a gestão dos níveis de glicemia e lipidémia, nomeadamente o músculo e fígado. Quando isto é atingido, a capacidade de lidar com os hidratos de carbono da dieta é superior, verificando-se uma maior estabilidade dos níveis de glicose, redução dos triglicéridos, um perfil lipoproteico mais favorável, menor inflamação, aumento da saciedade ao longo do dia, menos cravings, redução da gordura corporal, aumento da massa muscular, maior densidade mineral óssea, redução da tensão arterial, entre outras melhorias significativas a nível metabólico que se traduzem numa melhor qualidade de vida.»
Source: www.fat-new-world.com
 

O artigo já tem algum tempo, mas dei com ele hoje a ser partilhado no Facebook e quero aqui deixá-lo porque nos traz a explicação científica para algumas coisas que tenho publicado no blog (na secção das Plantas e Medicina Natural, assim como na secção das Aventuras Culinárias), nomeadamente, a utilização da canela no chá drenante que tem sido o meu “salva-vidas”.

Gostei sobretudo de ficar a conhecer outros benefícios que traz ao nosso organismo. Definitivamente, a canela será para manter na minha alimentação. Para além de ter aprendido a gostar do seu sabor no leite e na fruta, para quem sofre de má crculação e tem tendência para criar edemas com a retenção de líquidos, tem sido uma boa ajuda. Saber que actua a nível do sistema hepático (outras das minhas fragilidades) foi outra boa descoberta.

Aconselho a que o leiam 🙂

See on Scoop.itMixordia de temáticas

Retenção de líquidos

Hoje é dia de Body & Mind e não posso deixar de abordar aqui um tema que me é especialmente conhecido (embora não muito querido) – o da retenção de líquidos.

Tenho a certeza que uma boa parte das mulheres nota que, nos dias que antecedem a menstruação retencao_liquidosficam mais inchadas, com a sensação de ficarem mais pesadas, com as pernas pesadas… Tudo isso é causado pela retenção de líquidos, um sintoma que é considerado “normal” nesta altura.

Porém, há quem sofra regularmente deste problema – o meu caso – e só com algumas “ajudas” consiga mantê-lo minimamente controlado. Também não é situação clínica exclusiva das mulheres, há homens a quem lhes incham as pernas ao fim do dia mas, ainda assim, acho que não é tão frequente.

Em primeiro lugar vamos tentar perceber o que é exactamente a retenção de líquidos, assim como tentar identificar algumas das suas causas.

Como é do conhecimento geral, o nosso corpo tem uma grande percentagem de água e o organismo usa diversos “mecanismos” para manter o equilíbrio dos líquidos no corpo. Todos os fluidos corporais, inclusivé o sangue, são compartimentalizados de acordo com sua função. Quando existe algum tipo de desequilíbrio destes mecanismos, podem ocorrer então os edemas subcutâneos, que se fazem notar sobretudo nas extremidades do corpo –  pés e mãos – e na zona do abdomen (oh yes, tell me about it!).

Então, quando há um desequilíbro do sistema hormonal que regula o nível de líquido no corpo, dá-se a passagem de líquido (pobre em proteínas do sangue) das veias para o tecido subcutâneo, causando então os ditos edemas.

Este transtorno metabólico que pode ter as mais variadas causas – variações da pressão sanguínea regional, quantidade de proteínas no sangue (as proteínas fazem com que o fígado produza albumina, uma substância que evita a acumulação de líquidos), quantidade de sais disponíveis no corpo, acção da força da gravidade, sedentarismo, escassez de nutrientes (vitaminas C e B6, magnésio, potássio e ácidos gordos ómega-3 e ómega-6). Também li algures num artigo (que hoje não consegui localizar para poder referir a devida fonte) que a desidratação pode ser uma das causas possíveis, já que, se estiver desidratado, o corpo terá tendência para reter os líquidos ao invés de os libertar.

Existem alguns sintomas associados à retenção de líquidos, tais como inchaço, cãibras, fraqueza, palpitações e mal-estar. Também pode ocorrer queda de cabelo, alergias, unhas quebradiças e tónus muscular debilitado.
Não existe um tratamento específico para este problema (a não ser que a sua origem tenha outras causas, porque as que aqui apontei são apenas as mais comuns, não as únicas) e, neste caso, deve sempre consultar-se um médico. O mais comum de se aconselhar é uma mudança dos hábitos alimentares, com uma dieta rica em proteínas (aves, peixes e legumes), frutos secos, verduras e frutas e redução do teor de sal.

No meu caso, posso dizer que o maior problema é mesmo nas pernas e nos pés, embora a zona abdominal também seja afectada. Perda de força nos membros inferiores, dificuldade em subir escadas (chego a ter dores), tornozelos inchado no final do dia…tudo isto são sintomas normais em mim, embora a alteração da minha dieta alimentar e a introdução de alguns chás drenantes tenham ajudado imenso. O problema durante as minhas gravidezes foi tão grave que os partos foram antecipados por risco de trombose venosa. É claro que a mudança de hábitos e o facto de praticar imenso exercício também ajudou muito (e ainda ajuda!) mas o problema continua por cá.

Entretanto, vou ver se vos deixo aqui ainda hoje um chá que consumo regularmente e que foi uma descoberta daquelas que quando estou mais aflita, me salva.

Conforme podem ver, não quero fazer do artigo algo muito exaustivo, nem demasiado detalhado e/ou cientifico, mas penso que o essencial terá sido dito. Na minha breve pesquisa para o escrever, confesso que fiquei com vontade de ir explorar mais uns quantos pormenores, para tentar aprofundar o conhecimento mas, se o fizer, depois partilho aqui as minhas reflexões, dúvidas ou conclusões.